sábado, 16 de fevereiro de 2013

Ao sabor do vento



Os ventos que aqui  me trouxeram 
Souberam fazer-se brisa suave 
Fizeram-se vendaval 
Fizeram-se presença e distância
Acariciaram-me a pele 
Com a suavidade de uma flor 
E a dor de seu espinho
Levaram-me a lugares longínquos    
Onde o frio fez minh'alma tremer 
Onde o calor aqueceu-me o corpo 
Onde o frescor aconchegou-me em seus braços 
Mas os ventos que aqui me trouxeram 
São ventos que ficaram para trás 
Hoje não há ventos , ventanias , nem brisas suaves 
A força do rendeu-se à força do tempo 
Deixando de soprar e mover-me 
Como folha seca ao seu sabor 
Ele repousa suave 
Até fazer-se novamente vendaval 
Soprando-me em direção a outros abismos
           Abismos de desejos , delírios e submissão .



Nenhum comentário:

Postar um comentário

Somos donos de nossos atos , mas não donos de nossos sentimentos; Somos culpados pelo que fazemos, mas não somos culpados pelo que sentimos; Podemos prometer atos, mas não podemos prometer sentimentos... Atos são pássaros engaiolados, sentimentos são pássaros em vôo. (Mario Quintana)

Páginas