terça-feira, 18 de novembro de 2014

Desejo incontido


Ela já estava se livrando do forte desejo que tinha por ele . As conversas com ele começavam a acontecer sem que  seus sentido se voltassem todos para a excitação que a voz dele sempre provocava nela . E seu corpo , esse já voltava a obedecer mais à ela de que a  ele .
Ainda assim , ouvir certos comandos dele , fazia reacender toda a chama novamente .
Como resistir a um "goza, estou mandando !" ? Como não molhar a calcinha , como não gozar diante de tal ordem ?
E , assim , ela se via mais nas mãos daquele homem . Por mais que ela resistisse , por mais que não quisesse estar ali tendo aquela conversa , à mercê de suas vontades e provocações , e por mais que ela se esforçasse para não deixar transparecer as sensações que lhe viam , a verdade era que seu corpo desejava aquele prazer .
E se entregava a ele tão facilmente que lhe  da raiva de não resistir a ele , de estar sempre à mercê dessa luxúria incontida .
Ela não queria ter aquelas sensações , temia por uma entregar desastrosa . No entanto , seu corpo seguia em direção oposta a sua razão , e buscava pelas fortes emoções que ele desencadeava nela . Nessas horas , mente e corpo sincronizavam-se no propósito de entregar-se ao desejo que já escorria das entranhas .
Contorcia-se na cama e , despudorada , não mais lutava para  que ele não percebesse seu tesão...gostava mais ainda quando ele ficava tão forte , para que os gemidos lhe escapavam e ele os percebesse , e se aproveitasse disso , fazendo-a dizer coisas que , normalmente , ela não diria . E ouvia dele coisas que jamais permitiria ouvir de outro  . Coisas que lhe faziam agir e sentir-se como uma vadiazinha de nada...uma vadia muito tesuda , desbocada , suja !
De onde vinha tanto tesão ela não sabia , de onde vinha tanto descontrole e tanta falta de pudor ela não sabia , não aceitava que ele pudesse ter tanto poder sobre ela .
Tudo que vinha dele mexia com ela . suas  provocações...ah , essas faziam sua buceta vadia escorrer com o desejo de tê-lo dentro de si , faziam soar gemidos de um intenso tesão que lhe fazia sucumbir aos apelos da carne , sucumbir aos mandos e controle daquele homem .
Com ele não havia desejos contidos , tudo se convertia em gotas orgásticas .
Ao fim de tudo , ela permaneceu la , ainda degustando o restinho do prazer de ser vadia pra ele .
E isso era tão perturbador quanto extasiante .
Decidiu , então , escrever . Ela queria por em palavras as sensações que de seu corpo se apossavam . Ele precisava entender melhor , se é que já não entendia , o havia de especial naquele homem que causava tamanho furor em seu corpo e lhe confundiam a mente .
Tentou organizar as ideias , focar nas palavras , porém , elas lhe fugiam . Sua mente viajava na lembrança das humilhações a que fora exposta , transportando-a  para um mundo onde imperava a luxúria .
Entendendo que mais valiam as sensações que as palavras , ela embriaga-se com mais uma dose de prazer . Como uma vadia que se prepara para receber seu macho dentro de si , ela se deita e abre as pernas . E , na ausência dele para abusar de seu corpo , entregou-se ao toque de suas mãos , deixou que deslizassem dos seios à boceta que mais parecia uma flor se abrindo . Seus dedos passeavam por entre aquela carne quente e úmida , que não mais escondia o clitóris já entumecido .
Igualmente rígidos estavam seus mamilos que , após receberem uma breve carícia , passaram a ser torturados com apertões , torções...aquela tortura se convertia num crescente prazer .
Mas ela precisava de algo mais forte , de um prazer maior que pudesse levá-la ao êxtase .
Para preencher o vazio em que se encontrava , foi , lentamente introduzindo a própria mão naquela buceta que a engolia e gozava deliciosamente .
E , refeita , ela retorna a seus escritos .


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Somos donos de nossos atos , mas não donos de nossos sentimentos; Somos culpados pelo que fazemos, mas não somos culpados pelo que sentimos; Podemos prometer atos, mas não podemos prometer sentimentos... Atos são pássaros engaiolados, sentimentos são pássaros em vôo. (Mario Quintana)

Páginas